quinta-feira, 25 de agosto de 2011

JMJ II

Fui e não voltei. Porque quero ficar para sempre com o mesmo espírito que se vive numa Jornada Mundial da Juventude. Quero recordar para o resto da minha vida cada momento, cada canção, cada oração que aconteceu em Madrid. Nem vou tentar explicar como foi porque só quem está, é que entende. A mim, já ma tinham tentado explicar em palavras como "multidões", "cansaço" "maravilha"...mas mesmo assim, eu estava realmente longe, muito longe de imaginar.
A grande mudança foi sem dúvida o facto de hoje, digam o que disserem, eu sentir um imenso amor pela Igreja que sou e à qual pertenço. Uma Igreja que é de facto imperfeita (muito, às vezes) mas que é também, sem sombra de dúvida, um espaço que ajuda os homens a caminharem com um rumo que vale a pena. 
A grande certeza...a Igreja não está morta nem envelhecida, nem é sombria ou triste. Foram os 2 milhões de jovens que não arredaram pé quando desabou uma forte tempestade de chuva e vento que ma deram. Os mesmos que caminharam quilómetros sob o tórrido sol do Verão de Madrid. Os mesmos que em recolhimento profundo procuraram encontrar-se com Algo maior. 
O grande desejo...ser sempre e cada vez mais firme na fé. Porque a vida assim, vale a pena. 

4 comentários:

Ana disse...

Grande Fabi =) JC está sempre a olhar por cada jovem que lhe reza uma oração nem que seja por 1 minuto na vida...

Fabi disse...

Sim Ana. Ele olha sempre.

Anónimo disse...

Li algumas coisas que tu escreveste...outras que roubei das tuas letras, agora são só minhas.

Espero que não te importes, pois apenas fiquei com o que é meu, apesar de estar em ti.

Fabi disse...

"Anónimo" =P...olá! Se te identificas com o que escrevo fico feliz...gostava era de saber com quem estou a comunicar...se não te importas claro...