quinta-feira, 16 de abril de 2015

O que mudou aos trinta

Quase nada mas o pouco que muda tem peso. 

1. Comecei a pensar que se quero ter mais do que um filho, tenho de me despachar porque depois a coisa complica (complica mesmo não vale a pena andar com teorias) mas ao mesmo tempo ainda nem sei se estou preparada para para ter filhos e isto está a criar em mim uma ansiedade que me dá dores de barriga. 

2. É mais difícil dizer o que penso, sobretudo porque "não cai bem" como, por exemplo, aos dezoito (se bem que eu sempre fui um bocado medricas nessas coisas e sempre tive imenso cuidado com as palavras. Às vezes acho que fui uma parva por não ter dito umas verdades, mas outras vezes acho que fui só educada). Dizem que com a idade a tendência é a sinceridade...não tenho experiências próximas que confirmem isto. Quanto mais velhas, mais dissimuladas. E isto leva-me para o ponto 3.

3. Acho que isto que me aconteceu não tem muito a ver com a idade...tem a ver com os últimos acontecimento que podiam ter sido aos vinte e ter causado em mim o mesmo sentimento que é o de (quase) total descrença na humanidade. Sublinho o "quase". 

3. Quando me mentalizei que já tinha trinta anos, coisa que só aconteceu passado um mês e tal, comecei a fazer planos para mudar de vida porque antes de pensar ter filhos, tenho mesmo de mudar de vida. Isto está a gerar em mim mais ansiedade ainda.

4. Comecei a procurar cremes com factor de protecção solar. Tarde demais eu sei.

5. Penso diariamente no sentido da vida. Sempre pensei mas de há uns tempos para cá tem sido um exagero. Não sei se é dos trinta ou se é mesmo de mim que sempre pensei demais e de tanto pensar falta-me tempo para agir. 


1 comentário:

Sónia Miranda disse...

Eu só senti que tinha de mudar o que não me fazia feliz e correr atrás do que me faz bem ;)