segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Cuidado

É perigoso sentir que "até nem é tão mau assim". E é perigoso acreditar, quando dizem que "há quem esteja pior". Há gente que me condena, quando afirmo que não estou feliz e que não é isto que quero para mim. Apontam o dedo e chamam-me ingrata. E eu, de tanto ouvir gente sábia e experiente dizer estas coisas, quase acreditei na minha ingratidão...Mas ainda bem que tenho o extraordinário defeito de querer saber o porquê das coisas. Por isso, pensei se, afinal, não teria o direito de querer mais? Se lá porque estamos em tempos difíceis, terei de me conformar com o que tenho hoje, só porque há quem esteja pior? 
Pior? O pior, não é perder a casa . O pior, não é perder o emprego. O pior, é perder a fé. O pior, é deixar de sonhar. Para onde nos leva um caminho sem horizontes? E depois qualquer dia, quando percebermos que é tarde demais, onde é que vamos procurar o sentido de vida? Iremos, porventura, encontrá-lo na recordação dos dias sempre iguais, mornos, beje (que a cor da rotina) a cheirar a bafio? 
Daqui a uns anos, eu que convivo diariamente com pessoas já muito velhas (não só por fora, mas também e sobretudo, por dentro) não quero maldizer a minha vida nem desejar, com força e determinação, que Deus me leve depressa, como tantas vezes vejo acontecer. Isso não! Maldizer a vida é como deitar ao lixo um presente que alguém nos ofereceu com carinho. Viver "assim assim" é como aceitar o presente sem rasgar o embrulho com medo de ver o que está dentro da caixa. 
É perigoso fazer comparações de vidas. É muito perigoso dizer que até "estamos bem em comparação com..." 
Sermos gratos pelo que temos, não tem de nos fazer pessoas acomodadas. Isso não é gratidão. É egoísmo.  É medo. É preguiça. E nenhuma destas palavras rima com gratidão. Mas paixão sim. E determinação também. E receber o presente implica agradecer e rasgar o papel com o entusiasmo, a paixão e a determinação de quem quer descobrir depressa o que está dentro da caixa. Como o Rodrigo e a Ester quando recebem presentes e os olhitos lhes brilham de alegria. E riem de nervoso miudinho.  
Não é afinal, por causa da surpresa que a vida é, que eu acredito num Deus que é amor? Não é afinal, por isto que eu acredito que é possível transformar o mundo? 
Cuidado com o que dizem os sábios porque de nada serve "ganhar o mundo todo se perdermos a própria vida". 

11 comentários:

Débora disse...

Gostei tanto, Fabíola!!
Um beijinho*

João Mourinho disse...

Concordo!! :)
Todos nós temos um desejo de realização, que cabe a nós tentar realizá-lo! E "desejo de realização" não pode necessariamente ser ganância de dinheiro, fama ou glória, pois no fim de contas... só o Amor permanece. Mas sim, realizar as nossas capacidades e dons que Deus nos deu. Isto, para o bem dos outros e para o nosso aperfeiçoamento pessoal (não pela perfeição "orgulhosa", mas pela perfeição humilde de nos fazermos "aquilo que Deus quer que sejamos"! Será o "multiplicar" dos talentos que recebemos!

Os outros não podem servir de termo de comparação, porque cada pessoa é um ser distinto, diferente, com dons diferentes! A descrença dos outros não pode matar os nossos sonhos... mas que pelo concretizar dos nossos sonhos, os outros passem a acreditar! O que vemos ao nosso redor é um medo do futuro (uma consequência da falta de fé na Europa... sem Deus o ser humano vê-se sozinho na sua pequenês.. vazio, com medo do futuro).

Que cada um de nós acrescente esse algo único que Deus lhe deu para tornar este mundo melhor! Claro que no mundo de hoje, com tanta insegurança, somos afectados pelo medo paralisante que nos impede de voar... e acabamos fechados num conformismo que vai aos poucos matando sonhos e felicidade, porque vai atrofiando as asas que Deus nos deu! Querer ser feliz não é descabido, não é uma loucura, por muito que o mundo de hoje nos diga isso. É claro que temos que "acautelar-nos" no mundo em que vivemos, mas devemos lutar, arriscar para realizar plenamente os sonhos altos e puros que Deus colocou em nós!

Que um dia possamos chegar ao final da nossa vida e dizer como S. Paulo.. "combati o bom combate". Eu acho que só nos iremos arrepender daquilo que não fizemos, pq se o que fazemos é por bem, então a nossa consciência estará em paz!

Quando Deus quer e o homem sonha, a obra nasce.. e se Lhe perguntarmos o que Ele quer para nós, e se nós o sonharmos.. maravilhas acontecem!! E depois.. "trabalha como se tudo dependesse de ti, reza como se tudo dependesse de Deus"!!

fabi mourinho disse...

Obrigada Débora =) por causa do facebook até já me tinha esquecido de dar uma espreitadela ao teu blog =) Um beijinho*


João...é isso. Tu sabes destas coisas... =)

Thinking disse...

O nos acontece quando deixamos de sonhar?
Adorei..És especial Fabi! Saudades tuas!
Beijinho, Ana Lourenço

fabi mourinho disse...

Obrigada Ana...Quando me vens fazer uma visita? Também tenho saudades tuas*

Inês disse...

Ola Fabi :) decidi regressar a estas paragens e deparo-me com este texto teu... gostei tanto! E acho que tens toda a razão. Não devemos simplesmente acomodar-nos, devemos lutar, SONHAR, acreditar que há sempre algo mais à nossa espera, e sobretudo se tens essa vontade a crescer dentro de ti, muito provavelmente não deves ignorá-la...
Beijinho grande **

fabi mourinho disse...

Minha querida Inês =) Obrigada! Não vou ignorar...podes ter a certeza...um beijinho grande*

RitaPera disse...

Que bem Fabi!
Beijinho grande

Rita Pera

fabi mourinho disse...

Obrigada Ritinha =)

Briseis disse...

Olhar para o lado serve para nos localizarmos, para não esquecermos o sítio onde estamos e o nosso rumo. Mas não deve servir para nos fazer sentir melhor ou mais gratos. Isso é pequenez de espírito.

fabi mourinho disse...

Sem dúvida Briseis...*